Banda: WARCURSED

Categoria: Death Metal

Ano: 2014

A difícil tarefa de lançar um CD que tenha, pelo menos, a mesma aceitação do anterior é sempre um desafio pra qualquer banda. A WARCURSED, que já teve seu debut oficial, Escape from Nightmare, resenhado por este site, se viu nesta missão. E este novo petardo veio neste ano de 2014. Os dois anos só de divulgação do trabalho anterior, com uma ‘tour’ em âmbito nacional deu, sem dúvida, uma oxigenação no cérebro dos músicos campina-grandense.

O álbum The Last March veio com mais faixas, num total aproximado de 45 min, com a característica pegada do Thrash Death. A intro apresenta a banda com sussurros e ai já começa o enigma, pois a faixa nem consta no encarte e você só percebe que são 9 faixas quando colocar a bolacha pra rodar. E seguimos rumo a essa missão com a faixa “Superior Tyranny”, que tem um ótimo trabalho de guitarra de Richard Senko e Eduardo Victor. que nos fazem viajar em seus arranjos. A oscilação do baterista Marsell Senko é fundamental para notarmos a mescla de peso e partes mais leves que a banda faz. Todas as músicas são muito bem produzidas e a maioria delas fixam em nossas lembranças. Seguindo a ordem, a faixa título é outra que tem riffs mortais e nela você sente influências até do velho heavy metal tradicional, até mesmo na forma Jean Suavé (que também é baixista) encaixa as mensagens no instrumental, porque ele não vai jogando as palavras elas são encaixadas com melodias, apesar de gutural.

Somos “obrigados” a comentar a música seguinte: “Kill it Yourself”, ou como foi intitulada no CD de K.I.Y. que tem um refrão muito bem construído sobre violência, e o que não é violento aqui?

As faixas “Renegades From Hell” e “Deathmachine” me fizeram lembrar o antecessor Escape from Nightmare. Mas o interessante desse trabalho é justamente que neste novo, a banda conseguiu andar em uma linha de som, obviamente que com riffs e solos marcantes e ainda observa-se que a Warcursed é uma banda que tem bem mais instrumental do que vocais, (similar ao que o The Ax, de Recife, faz) e diferente de muitas outras, onde o vocalista começa na primeira nota e só acaba na última. Aqui você pode prestar atenção no instrumental, bater cabeça e fazer air guitar, pois o destaque da banda vai exatamente para a dupla de guitarra.

Para quem pensou que “Deathmachine” passaria batida, aqui vai um comentário especial: Ao ler no encarte algumas palavras com cores diferenciadas nesta letra, sem dúvida isso já chamaria atenção e pra quem não conhece o underground pode não entender, mas cada palavras destacada naquela música significa o nome de uma banda de alguns estados. Além da banda ter um puta trabalho, ainda foram cordiais em fazer uma música citando nomes da cena nacional. (Dentre as destacadas no encarte vamos mencionar a Evil Force, banda esta que o baixista já deu suporte a banda; Demonized Legion, banda de mesma cidade; Pandemmy, banda que enriquece a cena do metal pernambucano; Madness Factory, banda da capital paraibana.)

A outra faixa muito bem trabalhada e que também sentimos a linha Heavy Metal / Power é a “Symptoms of Decay”, que já na abertura nos empolga. E mais uma vez o show de guitarra ganha notoriedade. A súbita pausa lá pelos 1’25’’, dá a impressão de uma engatilhada. Nesta faixa a banda exagerou nos arranjos e o simplismo passou longe.

O álbum encerra com a pesada “Temple of Destruction”

O material foi lançado pela Eternal Hatred Rec. A capa tem uma imagem também enigmática, que é ilustrada como a morte, também vista como o Baphomet, ao lado de uma criança, ambos com máscaras de gás, numa cidade já em ruínas. Tudo foi feito por Emídio “Midoca” Medeiros e sabe-se lá o que se passa na cabeça insana desse artista.

A Warcursed pode ficar despreocupada que a meta foi cumprida. Ótimo lançamento!

(por Hugo Veikon)

                                               << Voltar ao Site