Recife antigo tem mais uma noite de Metal pernambucano, 07 de novembro se realizou o Recife Underground Scene, o evento já ocorrido algumas vezes,  promovido pela Julia, este que teve sua data adiada, porém concretizado e muito bem executado, talvez conforme planejado em questão de produção pela organizadora, mas em questão de público?!! Poderia ser melhor?!!

A noite estava quente e o público ainda pouco, quando a AHRIMAN entrou para esquentar ainda mais a noite, apresentando toda sua parte instrumental no início do show... Assim Pedro apresentando seu berro, a banda mostra que sabe fazer um brutal Death Metal. Que ao vivo soa melhor que em Estúdio, mostrando assim mais energia e toda sua exploração de mudança de tempos. Com a casa mais cheia a Ahriman detona um puta cover da Cannibal Corpse, a “Stripped, Raped and Strangled”, carta certa na manga. Todos param para presenciar e outros já iniciam uma das primeiras rodas a destruir na noite, parecia rápido e a banda tocava mais uma a “The Torment of White Soul” do seu Demo “Apology of Destruction”.

Em seguida, RIP SOLDER, um Power Trio com uma pegada Thrash Core fudida. Alguns problemas de som atrapalham a intro, mas o que interessa é o que estava por vir. Começo - Lapada em todos os riffs. Uma levada bem tradicional e não demora muito pra dois bangers se estranharem (coisa que não é bom acontecer – somos bangers não maloqueiros), mas depois tudo volta ao normal, e a polgada domina naquela velha linha do Thrash Metal tradicional que nos remetem ao Sepultura. Uma breve homenagem ao Santa Cruz (time de futebol) e tome core.

A banda da vez foi a Fucking Thrash Metal desde 1987 – CRUOR, todos sem dúvida esperavam essa banda, que da última vez que vi se encontrava com outro line-up onde devo dizer, sem muita energia. O line-up agora foi com Wilfred, Georgius, Túlio, Jairo e o lapadeiro Bruno,  neste show (Recife Underground Scene) a CRUOR mostrou quem é. Só insanos no palco, a bomba explode em “Whitechapel” e “Abraxas”, com um único CD na sua história de banda eles detonam “Slow Death Machine”, um hino. Não sabia se a banda tentava entrar no ritmo dos bangers ou os bangers no ritmo da banda, sei que vi uma destruição.

Ainda Rola “Seca” em insanas harmonias... Quem curte o CRUOR sabe do que estou falando! A banda ainda detonou um cover da banda mineira, que conforme o Vocalista Wilfred Gadêlha dissera que inglês se chama “Grave”, se referindo a grande Sepultura, com a: Escape to the Void – com dois bangers que subiram no palco e dividiram vocal. Essa noite posso dizer que vi a CRUOR detonando tal como ela faz no CD de 1995.  Fechando sua apresentação naquela noite com “Insane Harmony”. Não tenho mais o que dizer!

Outro trio sobe ao palco, a CARRASCO, aquela banda que não para de fazer blasting Beat, vi esses caras certa vez fazendo cover da Cruor “Torture”, mas devo dizer que essa banda tem evoluído bastante na sua sonoridade. Quando menos se espera uma falha no som e o atrapalho de BABY, headbanger conhecido na capital... Tiração de onda entre os bangers. Ainda com direito a cover da Sodom.

baby sendo levado pelos bangers

Por fim, com poucas pessoas presente devido a hora e o cansaço, sobe ainda ao palco a Stormblood, com todo seu visual e som Thrash Metal 80’s. Não vi o suficiente para resenhar, mas ainda foi possível uma foto e duas músicas, mas vou ficar devendo um show para poder comentar sobre esta banda.

Finalizo com elogios a organização, com uma aparelhagem decente e divulgação mesmo que quase em cima do dia, mas devo também elogiar os bangers presentes, pois tudo se torna possível com a colaboração (união) de todos. Essa é a nossa Recife Underground Scene, Hail!

 


Texto por Hugo Aquino |  Fotos por William Headbanger