Noite quente, era noite do inferno comparecer ao Hellcife, é o que acontece quando se reúne a Infested Blood e Malkuth, sempre é assim. E ainda adicionando a Necrolust, Firetom e a Surpresa da Noite que seria a The Ax.

E nem vou comentar sobre o atraso de praxe que já ocorre nos show do Recife.

Assim também foi o Extreme Conditions, a primeira banda a subir no palco foi a NECROLUST, com seu Black Metal Alcoólico e satânico, banda que sustenta seu line-up desde 2002, se não me falha a memória. Os caras começam com sua intro “Funeral”, uma surpresa para muitos aquela noite, a banda não mantém só o seu line-up, como também a sua pegada, um Black Thrash fudido. Executam uma faixa em português “Alimentando meu Vício”, guitarras bem agudas e riffs muito criativos, o guitarrista Arnaldo mostra que não só no demo ele se garante, mostrou isso ao vivo, que sozinho segura as guitarras, levando riffs graves e os oitavados, arranjos e solo.

A batera de JC não parava de metrancar e as bases fica a cargo de Carlos. Eles ainda tocaram ”Blessed by Satan”, “Assédio Alcoólico” do último demo – Alcoholic – ainda rolou mais duas do seu Debut demo e um cover countess bathory – VENOM, homenageando um amigo dos guerreiros Leandro. Aqui deixo os meus pêsames.

       

A FIRETOMB sobe ao palco, e demora muito pra se organizar, a banda vem com um Thrash Metal tradicional anos oitenta... Não posso afirmar, mas pareceu estranho a aparelhagem apresentar falhas apenas na sua apresentação, a banda tocava meia música (que por sinal abriu muitas rodas) e o som

falhava, ofuscando assim a empolgação dos bangers presentes, e competência música da banda, que era notável em partes que ainda conseguimos admirar – solos de guitarras, demonstração de bateria (esse tocava todo tempo), estaladas e velocidade de baixo (tocado de dedo).Eles ainda tocaram talvez duas inteiras a “Thrash Metal” (nome da faixa), minha preferida. E ainda detonaram o cover da Metallica, whiplash. Mas devo declinar meus elogios à equipe de som, principalmente, que prejudicou e muito a apresentação da banda. Só o que não falhava era a bateria, que não parava um momento se quer. Até mesmo na hora de tentarem solucionar os problemas técnicos o cara ficava a tocar, muitos comentários abaixo do palco insatisfatório dos bangers, sobre essa atitude do baterista.

     

A terceira banda foi a INFESTED BLOOD, lançando o seu terceiro álbum Interplanar Decimation, coincidência? Terceira banda, terceiro álbum. Após alguns ajustes o som fica uma maravilha e sem demora eles começam fazer o que sabem fazer de melhor, moer os cadáveres abaixo deles – BANGERS – Vemos no palco o vocalista Cristiano e o capeta, o cara é um demônio em pessoa no palco. Cada música uma destruição. A guitarra de Diego era surpreendente junto com sua performance de palco, Eduardo – baixo -, mostrou horrendamente que estava furioso e mostrou isso no seu instrumento. Com uma parada breve para ajustar uma besteira.
                     

O que posso considerar também um respiro para os bangers, eles retomam e Beto não para em sua velocidade mostrando coordenações de direitas e esquerdas parecia até uma luta em cima do palco e o sangue espirrando fora dele, literalmente vi um banger enxugar a boca após um tapa. Após a quinta música ninguém tinha mais forças para tal luta, ficando todos a admirar o entrosamento e velocidade da banda. Apesar de atualmente vermos surgir diversas bandas de Old School, o público mostrou que está antenado aos sons extremos da INFESTED BLOOD. Só lamento não termos direito a um cover que eles sempre inovam.

Hora de vermos a MALKUTH, calando a boca de muitos e fazendo engolir seus comentários imbecis. O que não sabíamos era a presença de um tecladista, ou talvez participação do guitarrista da Infested Blood, Diego, nas teclas preta e branca. Foi assim, Nighfall na batera mostrou que se encaixar em qualquer lugar na banda, e Nefando no baixo e vocal mostrou que a Malkuth merece respeito (PORRA).

      

Detonaram a faixa que dará título ao próximo álbum a ser lançado "Only Strongest" e outras que farão parte do citado álbum que é em português, também faixas de grande maioria de seus álbuns, do: Extreme Bizarre Seductins; Fourth Empire, Nekro Kult Khaos e do demo da época que ainda faziam também faixa em português, mostrando assim que eles têm história. por fim um cover da Samael. É até meio comprometedor pra mim, mas devo dizer o que muitos falaram e o que eu penso sobre a apresentação da banda relacionado as demais. Foi a melhor apresentação de todas as participantes. Postura, presença de palco, instrumentalmente falando em essência.

Vou finalizando por aqui, sem mais uma vez resenhar a última banda, mas não sou o culpado de não ter forças pra ficar até o final, a culpa sempre vai ser de quem começa atrasado e nesse show foi lasca, problemas sérios do equipamento de som comprometeram a FIRETOMB e a THE AX banda final, a comprometeram no tocante de quase ninguém presenciar seu desempenho.

 


Texto por Hugo Veikon e fotos por Willian Headbanger