+ FOTOS GALERIA (por Dezza Ganny)

Sexta – feira, 05 de março, foi o dia escolhido para realização do CARMETAL no Armazém 14. O Show produzido por Léo Frias, famoso por fazer eventos de ótima qualidade e também pelas boas escolhas de ‘cast’. Esta edição contou com as bandas CANGAÇO, INNER DEMONS RISE, DECOMPOSED GOD, MALEFACTOR e EXPOSE YOUR HATE – respectivamente. Embora fosse uma sexta-feira, os bangers em massa estão de parabéns pela presença, dia em que muitos largam de seus trabalhos ou de suas obrigações particulares.

A noite se inicia com a banda CANGAÇO, que executa um Thrash Metal recheado de técnica e peso, que caminha lado a lado com presença de palco. O trio, mesmo com apenas um guitarrista, Rafael Cadena, não perde o peso e nem a melodia, pois se ouvia absolutamente tudo o que Rafael tocava: riffs, solos e harmônicas, tudo de modo criativo.

  

Tocaram naquela noite, músicas de sua debut Demo, dentre elas: Opposing, Ghost of Blood e Devices of Astral, que fazem fusão de elementos das vertentes do Heavy Metal  com músicas regionais. Todas as execuções da banda mostraram entrosamento impecável, escalas de baixo que acompanhavam a guitarra e ótimo trabalho de metal do baterista Arthur Lira. Depois de um breve intervalo, a banda executou dois covers, um da SADUS e outro da banda Death.

                     

Na sequência, se apresentou a INNER DEMONS RISE. Após uma introdução, a banda não poupou altura (no sentido literal da palavra). Quem estava embaixo do palco sentiu todo o grave abalar seus tímpanos, camisa, ossos e todos os demônios internos.

       

Todo esse grave vinha, principalmente, da altura do baixo chocando-se aos bumbos modulados da bateria. Apesar de tudo muito alto, a banda mostrou uma qualidade de entrosamento perfeita, com as covers escolhidas que servem de inspiração à banda. Não é simplesmente um cover para agradar aos bangers, eles realmente escolheram músicas que gostavam. Notava-se na cover “Among two Storms” (Rotting Christ), com direito a back vocal do Guitarrista Paulo André (fazendo o papel de Fernando do Moonspell, que é o que rola na versão original) e na outra cover da Paradise Lost (onde se via o guitarrista Miguel acompanhar o vocalista Alcides, ao cantar). Resumindo: ótima apresentação!

  

                       

Após um breve intervalo para ajustes de som, a DECOMPOSED GOD entrou em grande estilo, com o som melhor equalizado, que fez o áudio ficar mais limpo. Aquela noite seria a despedida da banda em nosso estado, para seguir sua viagem em turnê européia. A banda junta entrosamento a destruição, resultando assim a DECOMPOSED GOD, que mesclaram músicas do seu Debut CD “The Last Prayer” e o último lançamento do CD “BESTIALITY”.

  

Após quase um ano em jejum desse público, a banda parecia está com todo vapor, atitude esta que fez com que todos se digladiassem, abrindo assim a primeira roda de espancamento amigável – ritual que ocorre freqüentemente na capital pernambucana. Até que, finalmente, André Valogueiro dá uma boa noite aos bangers e agradece a todos por elevarem a banda ao patamar que se encontra hoje. Sem muitas delongas a banda recomeça a destruição, com a seqüência: Kill The Bastard - Impregnated God Of Lies - Ecce Homo.

   

No meio da apresentação, finalmente um momento para todos respirarem, mas vem Jean e nos mostra sua competência musical acompanhado de um som ao background. Em seguida, Marco Antônio na guitarra. Wagner Campos, ao longo do show, mostra o que todos já conhecem: suas técnicas e o som preciso que o mesmo consegue extrair da batera. A potência do vocal, as cuspidas pra cima e as pancadas na cabeça são marcas registradas do vocalista Valogueiro.

A banda toda está de parabéns, em relação ao som, performance... Enfim, tudo em geral. Assim eles encerram a noite com “Hipocrity Liar”, vale apenas lembrar essa última música deles, afinal foi ela que quase derruba o armazém 14 naquela noite, 05 de março de 2010. O Arena Metal deseja uma boa viagem e bons shows aos caras.

                    

Depois de um longo intervalo para mais ajustes, foi a vez da MALEFACTOR - banda oriunda da Bahia - subir ao palco. O som ficou mais limpo, parecendo passar por uma mixagem simultânea. A banda inicia com uma intro e começa seu Death Metal com cadências. Incrível a oscilação de vocal gutural com o clean vocal afinadíssimo de Vlad.

    

        

A ausência do baixista Roberto fez falta aos graves da banda, mas nada que veio a prejudicar o desempenho da banda. Isso cobrou maior habilidade do Tecladista Cris, que tentou preencher os espaços ali deixados. A banda tocou um set que veio do The Darknest Throne – Barbarian – Centurian (inclusive um material que foi relançado com edição especial em tiragem de CD duplo). Algumas das músicas fora: God That Doesn't Lie - Echos of Lemuria - Notei que os bangers ficaram vidrados na hora que a Malefactor tocou a música Centurian, com seu refrão pegajoso e de ótimo bom gosto, provocando coro com o público.

    

Ainda estava aos 30min de apresentação e o público sedento por mais e eles detonaram: Under the Black Wall of Hell - Estuans Interius. A banda tocou um pouco mais de 1 hora, com direito a demonstração de guitarra e boa presença do tecladista Cris, que conseguiu amenizar os efeitos da ausência do baixo.
                                                                            Bate papo Lord Vlad Explica (aqui)

  

Já próximo das 4h da madrugada, a EXPOSE YOUR HATE (RN) se apresenta. Os caras já são de casa, então, com um público certo, aqueles que ficaram realmente pra prestigiar o Death / Grind, não seria sacrifício algum pra eles tocaram na última posição. Posição esta que quase nenhuma banda gosta de tocar, principalmente num cast que foi aquela noite. Sem firula, a EYH tocou faixas de seu álbum, o “Hatecult”, mas a faixa inicial do álbum veio apenas no meio de sua apresentação (a faixa que auto-intitula a banda).

    

Na agulha, sem intervalo, eles detonaram a “Moment of Reflection” - aquela que tem uma voz bem irônica, de mais bate cabeça e como sempre as lapadas -  identidade da banda. No meio do show, eles tocam o que todos mais querem de uma banda grind e ainda vem um cover fudido (no melhor sentido da palavra) da banda Napalm Death – “Suffer the Children” e depois voltaram a tocar algumas próprias como: Despise For Anial Life – Born to Sin – Lies.  E eles desejaram uma boa viagem a nosso representante, DECOMPOSED GOD, depois acabaram de moer a carne dos sobreviventes naquela noite.

       

Assim foi o Carmetal de 2010, uma festa de despedida a banda representante de Pernambuco, Decomposed God, tendo como parceiros de Palco esses dois nomes da cena Metal Nordestina: Malefactor, Expose Your Hate, Inner Demons Rise e a jovem banda Cangaço. Parabéns a produção que selecionou esse cast e procurou fazer uma divulgação de nível.

E assim foi o Carmetal 2010, Grandes bandas da cena Nordestina.

Texto por Hugo Veikon - Re-edição Vivianne Barros e fotos por Dezza Ganny