Texto e foto por Willian Headbnager

GALERIA DE FOTOS

A Noite de Celebração ao Metal Negro chegou em sua segunda edição com um cast de novidades e de clamor, com as bandas Destiny Old Die, Carrasco, Mystifier,  Féretro e Necrolust Alcoholic.

A banda responsável para iniciar a celebração foi a Destiny Old Die, uma das poucas bandas do estado que faz um trabalho na linha Death/Doom. Como estão divulgando o EP “...Long Tears”, lançado no fim do ano passado, seria óbvio tocarem músicas dele. Elesaproveitaram e também incluíram músicas novas ao tocarem. Vale destacar o excelente trabalho do tecladista Ricardo Mysterio, que émuito enfático em todas as músicas.

A banda Carrasco deu continuidade à noite. Uma banda com quase dez anos de carreira no underground e que sustenta um grande número de fãs e sempre faz uma apresentação muito bem executada. Eles vieram com as músicas clássicas da banda, como “Armaggedon”, “Leviathan”, “Heavy Metal del Diabo”, que sempre se destacam ao ser  executadas.

Hora de uma banda que pode ser considerada resistência da cena do Metal Negro pernambucano, a Necrolust Alcoholic. Voltando à cena com todo força com seu frontman, o demoníaco Marcelo, com seus blasfemos  vocais, ainda somando ao pandemônio o baixista Carlos Oliveira. A banda passou um tempo sem tocar, mas quando fez esta aparição, destruiu! Se mantendo com seus ‘corpse paints’ eles blasfemaram músicas clássicas da demo Lord of the Arts, também incluindo músicas sangrentas como “Funeral” de sua segunda demo.

A surpresa da noite foi a banda Féretro, que tem como frontman, na voz e baixo, o guerreiro Nefando, que foi um dos fundadores do Hardegon e teve uma ínfima participação no Malkuth. A Féretro é recém-formada, mas além de Nefando reúne grandes músicos da cena local, sendo eles: Carlos Oliveira (vocal e guitarra, que também toca na Necrolust Alcoholic); Beto  Santos (baterista da Infested Blood  e Necroholocaust) e Carlos Eduardo (na segunda guitarra, este que toca baixo na Infested Blood). A banda expele músicas de ódio, todas cantadas em português. Como eles ainda não tem nenhum material lançado, não foi possível observar o acompanhamento do público, mas a atenção dos aficionados do estilo eles tiveram e em sua primeira apresentação já garantiram bons comentários.

Após alguns shows na Europa, a Mystifier, que é mais uma banda da resistência do underground nacional, era a banda mais esperada da noite. Com seu mais novo integrante, o pernambucano Diogo  DoUrden (baixo, voz e teclado), que também atua como vocal e guitarra no Infested Blood, podemos dizer que sua participação deu uma nova vida à banda, com uma performance demoníaca, que o público recifense já tá acostumado a ver e como sempre agitou. Muitos já estavam cansados, pois já eram quase 3h da madrugada, quando os primeiros hinos soaram. Além das músicas autorais eles tocaram um cover do Sarcófago “Nightmare” com perfeição. Uma apresentação incrível.

O Arena Metal parabeniza a produção do Alive e Nefando pela produção e cast.

Resistência metal

<< Voltar ao Site