Texto por Ismael Guidson e foto por Vega Herbertt

 

Caro leitor, o Arena Metal foi pela 4º vez ao município de Arapiraca- AL cobrir o festival Noise Music, que teve sua 8º edição realizada na parte externa do Clube dos Fumicultores no dia 12 de setembro, e contou com a participação das bandas Rotten Flies (PB), Lethal Rising (PE), Judas is Rising (AL) e Hate Embrace (PE). Como já conhecemos o Noise Music, não é nenhuma surpresa encontrar um bom som (com operador dando todo suporte), bar acessível e aquele público fiel ao evento.

Devido alguns problemas na questão de transporte de uma das bandas o cast teve que ser alterado e a abertura desta 8º edição ficou por conta da recifense Lethal Rising, que subiu ao palco uma hora após o horário marcado pra começar. Imprevistos acontecem e atrasos podem acontecer e quase sempre estes atrasos não são nem notados pelo público, uma vez que a conversa entre os bangers faz a hora passar voando.

Com a Lethal Rising em palco passando o som muitos já esperavam o que estava por vir, porque os caras esbanjam técnicas e muito profissionalismo em palco, entrosamento nota 10, digno de respeito e banda que merece muito espaço no cenário nacional. Em seu primeiro show em Alagoas a Lethal Rising teve a chance de apresentar aos arapiraquenses e pessoas de outras cidades seu EP “Against the Fear”, que encontra-se em divulgação, e ainda mostrar algumas músicas que estão por vir no seu primeiro full. A primeira faixa tocada foi a faixa-título do EP . Como sempre, o público meio tímido no início de shows demorou alguns minutos para chegar junto à banda e prestigiar o momento, mas isso durou pouco tempo, pois muitos viram que não se tratava de uma banda qualquer no palco e sim uma das melhores bandas de progressive metal do Nordeste (e por que não do Brasil?). Após o fim da música, Adriano Forte fez os agradecimentos apresentando a banda e divulgando um pouco do trabalho. Seguindo com “In Flames” a banda garantiu muitos metalheads batendo cabeça junto ao palco. Assim como na faixa “Slaves”, com seus andamentos iniciais pesados e mais rápidos, que variam durante a faixa, dando continuidade com “Wounded and Dying”. Pra fechar as músicas do EP, “Lost for a Time”, uma ‘baladinha’ que foi dedicada a esposa do vocalista, que estava presente acompanhando o show. Neste momento, alguns headbangers ao verem a calmaria da música levantaram isqueiros. A banda fez apresentação de três músicas novas (“Blind Alley”, “Begins The Torment” e “Unreal Life”), que estarão no primeiro full e que foram bem aceitas pelo público e mostrou que a Lethal Rising continua coesa em suas produções. Estas faixas exibem técnicas de todos os membros, sem exceção, com destaque para o baixista Bruno César, que foi muito elogiado durante toda a apresentação. Pra se ter ideia o quanto a banda fora aceita, a pedido de muitos rolou um BIS e a música “Against the Fear” foi executada mais uma vez no final do show da Lethal Rising. E com muitos elogios a banda se despediu atendendo pedidos de fotos e ganhando merecido respeito, sendo afirmado pelo público que a Lethal Rising foi um das melhores bandas que já tocaram em Arapiraca.

O Noise Music possui um mix bastante interessante unindo bandas de várias vertentes para que todos possam aproveitar e saírem satisfeitos. Assim sendo, a segunda banda a subir no palco foi a paraibana Rotten Flies, que trouxe um hardcore de lapada na cara sem muitas delongas, agitando a galera e garantindo as rodas. A banda veio com seu setlist integrando 20 músicas que, apesar de curtas, passam uma mensagem fantástica que repreende tudo o que feito, inclusive por falsos profetas que iludem pessoas. E a Rotten Flies, sem medo de falar,ainda cita todos eles durante o show. Os caras fizeram uma apresentação energética, que ainda contou com a participação do vocalista já conhecido pelos arapiraquenses, Alexandre da banda N.T.E, que cantou a música “Meu Inimigo Sou Eu”, onde na execução simulava uma luta com o vocal da Rotten Flies, Francisquinho. Ainda apresentando músicas como “A Bíblia”, “Bazuca”, “Macedo” (onde fala verdades sobre ele mesmo, o próprio... Edir Macedo) e “A Farsa” da banda Câmbio Negro HC.

Sem muita espera e passagem de som rápida a Judas is Rising subiu ao palco para fazer um tributo à lendária banda de heavy metal, Judas Priest. A banda é integrada pelo próprio organizador do evento, que ao anunciar que iria começar esta apresentação, várias pessoas se aglomeraram na frente ao palco e o mesmo disse que as pessoas deveriam fazer aquilo mais ainda nas bandas autorais, pois todas mereciam. Judas is Rising diria que é um supergrupo que reune ótimos músicos da cena arapiraquense (como The Other Side, Marcus Mausan e Virulência) e que se trabalharem nas músicas autorais, pode ter certeza que será mais uma banda muito bem reconhecida por muitos. No setlist a banda teve oportunidade de apresentar músicas como “Rapid Fire” com participação de um dos presentes no show, “Turbo Lover” outra bem acompanhada e após muitos pedidos, fechou com “Painkiller”.

Pra encerrar a fantástica noite da 8º edição mais uma banda pernambucana no cast, só que mais pesada e agressiva, com seu death metal meio que enraizando pro melódico por conta das linhas de teclados usados, a Hate Embrace segurou o público e fez uma apresentação muito bem acompanhada pelo público. A banda vem ganhando muito destaque no nordeste fazendo vários shows, inclusive em festivais importantes como Abril Pro Rock e Palco Rock. Em sua terceira apresentação em Alagoas (e primeira vez em Arapiraca), a Hate Embrace veio com seu set baseado no álbum ‘Sertão Saga’ que foi muito bem aceito pela mídia especializada. Abrindo com a intro do Sertão Saga, emendou com “Vidas Passadas” e “Intolerância”. Como sempre, o público mostrou apoio ao que está sendo feito no nordeste, acompanhando, cantando e ‘bangueando’ durante a execução. “The Sovereing”, conhecida por muitos e garantindo aplausos, foi uma das quatro músicas do “Domination. Occult. Art” apresentada em Arapiraca. Outro destaque do debut foi “The Father Sun”. Em seguida,“Revolta”, “Lampião Rei”, “Imponência” e “O Começo do Fim” asseguraram mais algumas vozes no público que já encontrava-se exausto, mas firme e forte para curtir até o fim. Ecom “Archaicreation” a pernambucana fechou mais uma edição do Noise Music para ficar marcado na cena local e na memória de muitos.

A 9º edição do Noise Music já foi anunciada e mostra o quanto o organizador Andy Burn e toda sua equipe querem ver a cena crescer, dando total apoio, onde o retorno visado é apenas um: Ver o público satisfeito e animado para as vindouras edições.

E durante esta 8° edição do Noise Music Andy Burn não só arrebentou na organização (trazendo bandas fantásticas) como também detonou nos palcos!!!!

 

<< Voltar ao Site