GALERIA DE FOTOS

Noite da Porrada foi um evento que realizou-se no dia 09 de julho de 2011 e este teve muitas alterações no cast, pois a princípio seria lançamento do CD (demo) da banda ANTROPOFAGIA, mas o baterista da banda teve problemas de saúde, com e isto resultou em uma mudança brusca nas bandas que iriam protagonizar o evento.

Porém, com uma formação de cast definida que ficou, respectivamente, em: TORTURE WAR – TRUE VIOLENCE – FIRETOMB – NERVOCHAOS – CEFFALIUM.

Concentração de um bom número de bangers, o evento parecia que seria ‘porrada’, mas esse número ficou boa parte do lado externo da casa Bomber Rock Bar, o que questionar? Sinceramente fica difícil entender (responder), pois houve uma divulgação em massa, talvez a grande audiência da novela da TV Globo (das 9h) tenha segurando em casa os que disseram que estariam presente.

Mas a mim não cabe calcular os que ficaram em casa, apenas relatar o que ocorreu no show.

E com um pequeno atraso do evento é que a banda TORTURE WAR subiu ao palco, sem timidez. Os jovens, tanto na idade bem como da experiência em palco, fizeram valer sua participação. Começaram tocando suas músicas próprias, que nem sequer foram lançadas em algum material fonográfico. A banda começou com a música “Guided by Hate” – “Atomic, Force, Attack” e deu sequencia a seu Speed Thrash. Eles tocaram até mesmo um cover da Exodus e foi com a faixa “Bonded by blood” que eles colocaram o pequeno número de bangers para se mover. E dando continuidade ao se set list a banda mandou mais 3 faixas e encerrou a sua curta participação, pois havia um extenso cast de bandas no show.

Com uma pequena demora a montar todo o set up da bateria de Arthur Lira, ex-Cangaço, sobe ao palco a banda TRUE VIOLENCE, que apesar de trabalhar um Thrash Metal a banda soou mais pesada quase pendendo ao Death Metal,  ponto positivo para eles, pois a noite era ‘Noite da Porrada’ e isso eles fizeram. Assim começaram sua participação com as faixas: “Through of Fire” – “The Stranger” – faixas de uma fase não tão distante da banda. Quando por volta da 4ª execução a banda vem com uma de 2004 a “Dead Empire”.

Apesar do vocalista também tocar contrabaixo ao mesmo tempo, faltou ao mesmo um postura de não abandonar o grave de seu instrumento, pois algumas vezes o mesmo parava de tocar para poder gesticular, isso algumas vezes soava um vazio, mas nada que atrapalhasse os pequenos ‘circle pit’, e assim a banda encerra sua apresentação com 7 músicas todas.

Hora da FIRETOMB tocar. Se tratando de Thrash Metal esta é uma das bandas mais bem entrosada na cena pernambucana, e o lançamento de 2010 é o que eles vêm divulgando. Assim eles começam o show e mandam “To Kill or To Die” – que serve para testar o som, tudo ok e resolvido mandam na sequência: “Don’t Surrender” – “Hell Awaits For World”, esta última a banda parece cada vez mais querer acelerar o andamento da música, assim a dupla dinâmica de guitarras, Randal e Marcos Paulo, mostram que estão muito bem entrosados.

E com esse maior ‘speed’ eles mandam mais três e exigem maior movimento do público. Após essas três faixas eles fortalecem a energia com o hino da Firetomb, estou falando da faixa que dá rótulo a banda, “Thrash Metal”, e com um cover da KREATOR (Tormentor) de aperitivo eles encerram essa rodada.

O som neste momento pareceu mais distorcido e até mesmo mais alto, era a vez da banda mais esperada da noite ir ao palco, NERVOCHAOS de São Paulo. E “Infernal Worlds” serviu para abrir a apresentação e testar o som, pois a cada música que a banda tocava o auxiliar de som tentava melhorar a qualidade. Ainda veio “Pazuzu is Here”, e para voltar ao tempo a banda trouxe na bagagem a música entorpecente “Putrid Pleasures”, apesar do pequeno número de metalheads a banda ainda conseguiu provocar uma ‘circle pit’.

Eles oscilam música do Quarrel In Hell (2006) e Battalions of Hate (2010) e tocam: “All - Out War” - “Televangelism” (esta que explora aquele som mais arrastado típico de bandas que fizeram parte da antiga cena metal nacional) - “Total Satan”, a partir dai já começam a pedir um cover da Vulcano, banda esta que a banda gravou um cover no seu último trabalho, mas eles toca ainda “Dark Chaotic Destruction” até chegarem no cover pedido, tocam mais algumas faixas e encerram seus 40min de palco.

Com uma troca de ordem de última hora, a banda CEFFALIUM foi última a subir no palco, alguns Metalheads que vieram realmente para apreciar metal, ficaram e não perderam a oportunidade de ver como se destrói. A banda leva um som na linha Krisiun e Rebaelliun, e com tal referência não tem como dizer que a banda é precisa, direta e extrema. A banda por estar em divulgação do EP mandou músicas de tal material e começaram com “Your Sanctity” – deram uma pause para melhorar a equalização do som e voltaram com “Hateful Kind” – e sem demora mandaram “Regicide”.

Para protestar as guerras, a banda mandou uma crítica ao ouro preto (petróleo) e tal protesto recebeu a trilha de “In War”. Para mostrar um pouco das influências a banda tocou um cover da Kataklym (Shadows & Dust) e foram sem demora para a faixa de trabalho da banda, música que tem um clip circulando na web, a faixa é “Servant of Tyranny” a nitidez e velocidade com que o baterista, Bruno Laert, tira de seu kit é extraordinária.

A banda pode muito bem ampliar seus horizontes e buscar maiores divulgação, pois talento a Ceffalium tem. E como comentado no começo, eles mostraram que a Krisiun faz parte da fonte de inspiração e tocam como homenagem a “Kings of Killing”. Enceram com mais uma própria, nova e digna de aplausos a faixa “Human Machine”.

Mais uma noite de metal que apenas os apreciadores de tal estilo presenciam.

Parabéns a Cronos Produções e Studio Alive.

Texto e fotos por Hugo Veikon

<< Voltar ao Site