GALERIA DE FOTOS

Em plena véspera de feriado religioso na capital Pernambucana e em alguns municípios deste estado, o público de metal pode conferir uma das mais conceituadas e respeitadas bandas de Black Metal mundial, Dark Funeral.

Como já havia ocorrido anteriormente em outro grande evento de Metal Extremo, já se sabia que o show ocuparia o primeiro andar do Burburinho, que vale salientar, não apresenta estrutura ideal para show desse nível. É importante destacar as novidades no line-up da banda, sendo: Nachtgarm (vocal) e Zornheym (Batera), ambos haviam feito suas estreias a poucos dias atrás. Normalmente as bandas Headlines são responsáveis no fechamento do evento, porém, por problemas de logística e surpresa de muitos, os suecos abriram o evento.

Mesmo com este problema boa parte do público já estava presente e assim eles abriram o show com: Stigmata (faixa presente em: Angelus exuro pro eternus de 2009). O público estava em êxtase, pois a banda mostrou-se bem coesa e inclusive bem afiada. O som estava em uma boa qualidade. Outro destaque ficou por conta de duas do Diabolis Interium, sendo: Goddess of Sodomy e Arrival of Satan’s Empire. Mas nada que se compare ao primeiro clássico da noite a Open the Gates, do EP In The Sign. Neste momento abriu-se uma grande roda violenta, os portões da insanidade estavam abertos de uma vez por todas.

Atrum Regina e King Antichrist estão longe de serem faixas ruins, mas creio que a banda poderia ter dado outra cara no set, por exemplo: ter tocado mais faixas de seu debut. Este se fez presente em Shadows Over the Transylvania tocada com bastante brutalidade e em seguida a melodiosa e bem obscura Heart Of Ice.

Nachtgarm mostrou-se ser bem talentoso e um vocal forte e infernal. Lord Ahriman mentor e fundador tem um estilo foraz e pra quem curte o estilo realmente desfrutou dos momentos finais com as músicas Hail Murder e a polemica My Funeral.

A responsabilidade de manter a destruição ficou a cargo da banda Metacrose, oriunda da Paraíba, e após de certa seu set up no palco a banda junto ao público notou a caída na aparelhagem sonora, ponto este que me intriga, se o som já estava totalmente acertado (equalizado) por que não manter do mesmo jeito? Opiniões a parte, o show continua e a Metacrose não desapontou aos apreciadores do Death Metal tradicional. A banda mostrou músicas novas como a What's Established, música que rendeu um clip de alta qualidade, ainda mandaram músicas antigas, da demo de 2003, e mencionam a antiga casa de Metal do estado, o Dokas.

A banda fez um momento solo do baterista, inclusive interessante e com qualidade, esquisito foi ver duas pessoas ao público subir ao palco e mandar uns guturais totalmente fora de contexto. A banda continuar mandar mais músicas e voltam ao tempo mandando

Destruindo a Coroa, que integraram a coletânea Warrios of the Morbid Moon 3 (lançamento Moondo Records). Os insanos mostraram que estão de volta e ficou evidente que com mais qualidade, a prova que a banda agrou foi permanência dos bangers e aplausos que a banda conseguiu arrancar.

Logo após um excelente show dos caras da Metacrose, chega a vez dos malditos da Malkuth, que sobem ao palco blasfemando  com o lançamento do  seu  recém lançado álbum The Strongest (resenhado neste site), com uma performance de primeira, como sempre, pelo vocalista e baixista Nefando. Garanto que os poucos que ficaram para ver não se arrependeram, isso era visto no rosto de que ficou. Vale apena destacar o espancamento da bateria, realmente não sei como a bateria ficou inteira para a banda seguinte. Uma ótima apresentação dos malditos.

Continuando a blasfêmia a Sodoma, banda também da Paraíba, continua  descendo a porrada,  só que desse vez só ficou  a resistência mesmo. Muitos já tinham ido, mas mesmo assim os malditos fizeram uma apresentação impecável, um desempenho altamente profissional para ninguém botar defeito, e só posso lamentar por quem não viu.

Os parabéns a todas as bandas pelas ótimas apresentações e para parabéns a organização, que apesar de todos os contratempos o resultado foi positivo.

 

Resenha por Krakum Santos (Dark Funeral)
                   Hugo Veikon (Metacrose)
                   Willian Headbanger (Malkuth e Sodoma)

Fotos por Willian Headbanger e Hugo Veikon

<< Voltar ao Site