Texto e foto por Ismael Guidson

 

Após 17 anos a banda alemã Blind Guardian, voltou a capital pernambucana para fazer um show inesquecível e deixar marcado na memória de todos como um dia histórico. Atualmente a banda encontra-se em divulgação do seu mais novo álbum ‘Beyond the Red Mirror’ e tiveram a chance de se apresentar o fantástico setlist da turnê no palco do Baile Perfumado neste último domingo (04/10).

E para dar aquela esquentada a banda paraibana Metacrose ficou com o cargo de abrir o show, instigando muitos presentes com um grande desempenho.

Como já citamos não fazia pouco tempo que os alemães do Blind Guardian pisavam em terras pernambucanas, com isto muitos chegaram cedo e assim como em qualquer show de grande porte em Recife era possível notar diversas caravanas vindas com inúmeros bardos de várias cidades como Maceió, Arapiraca, Natal, Aracaju, João Pessoa, Caruaru... dentre outras. E os couros de músicas como Valhalla já eram ouvidos em diversos cantos.

Quando os portões abriram muitos já adentraram na casa de shows e sem muita espera a banda Metacrose subiu para apresentar seu death metal bem técnico e tradicional agitando a galera. Com um setlist meio curto, a banda tocou apenas seis músicas do seu álbum “InTerrorgate”. Consegui acompanhar o show deles a partir da metade da música “What’s Wrong With Killing?”, e para garantir muitos bangers batendo cabeça a Metacrose seguiu com “Are You the Truth?” e “Is This Democracy?”. Vinicius Laurindo interagindo bastante anunciou a música “Zé do Caixão”, ganhando mais ainda feedbacks positivos do público. Com o anúncio da música “How Can I Know Who I Am?”, que em estúdio teve participação do guitarrista do Blind Guardian, Marcus Siepen, muito esperavam a participação do mesmo em palco, uma vez que Marcus encontrava-se assistindo o show da Metacrose, enfim com ou sem Marcus a Metacrose teve a responsabilidade total de comandar um ótimo show, onde finalizou com a “Whats Stablished?”.

Sem muita espera e pontualmente às 20h juntando euforia e a ansiedade, a intro do álbum “Beyond the Red Mirror”, que junta com a música “The Ninth Wave” já foram recebidas aos gritos por todos presentes e o Blind Guardian, assim como em diversos outros momentos, se surpreendeu com a recepção calorosa do público presente. E tudo isso cresceu mais ainda com o anúncio de “Banish From Sanctuary”. As lágrimas derramadas e coros de “Nightfall” cantados fortemente pelos fãs emocionando mais ainda com a faixa “Fly”. Remetendo ao álbum anterior a banda teve a chance de apresentar “The Quest for Tanelorn” e voltando pro lançamento mais atual com “Prophecies”. Seguindo o set digno de elogios, as quatro próximas músicas remeteram ao DVD “Imaginations Throught the Looking Glass”, uma vez que fazem parte do mesmo (ressaltando que outras faixas tocadas também fazem parte do set do DVD, mas a sequência das quatro foia muito emocionante para muitos), começando por “The Last Candle” que em sua execução era notada claramente à empolgação e nos andamentos finais ficando só bateria e o coro vigoroso do público na frase “Somebody's out there...”. Já “The Lords of the Ring” garantiu um momento mais calmo, porém bem acompanhado por todos na epicidade da canção e o encantador público seguiu com “Time Stands Still”, sempre no final de cada música sempre era possível ouvir gritos de  “Guardian, Guardian” e pelos rostos dos membros da banda era observável que não esperavam toda aquela recepção de casa cheia de FÃS. Hansi Kürsch sempre comunicativo anunciou “I´m Alive” e encerranram a primeira parte com “Wheel of Time”.

Após a pausa e os gritos de sempre, os bardos voltaram ao palco com “Sacred Worlds” e “Twilight of the Gods”. O delírio aumentou quando Hansi anunciou nada mais nada menos que “Valhalla”, um clássico da banda que não pode faltar nos shows. Mais clássico ainda é que em todo show a música é acompanhada por intenso coro, e isto em Recife foi muito bem executado, garantindo mais de 3 minutos de coro com acompanhamento da bateria. Houve mais uma pausa e voltaram com “Into the Storm” e “The Bard´s Song”, mais uma vez garantindo lágrimas de algumas pessoas. E, como de costume, “Mirror Mirror” era pra fechar o set, porém a banda viu que não era o suficiente para satisfazer o público, apesar das rodas que fizeram parte durante a música tocada. Assim, com muita insistência, “Majesty” fechou de forma grandiosa, apesar de ser uma música que não estava fazendo parte do setlist mas foi atendida a pedidos.

Com a super parceria Estelita, Cósmica e Voltz Entretenimento, foi transformada a noite de domingo em uma noite memorável que marcou a volta de um dos maiores nomes do metal mundial à Recife, satisfazendo cada um que ali estava presente.

<< Voltar ao Site