Banda: RIP SOLDIER

Categoria: Thrash Metal

Ano: 2010

Como considerar este stuff um demo?
Pois este material, The True Soldiers Never Die,  contém 10 faixas muito bem gravadas e com excelentes músicas executadas por: Thyago (baixo e vocal) – Nicholas (guitarra) e Davison (batera).

E nas faixas como: “Atrocity”, “Bloody Nigthfall” e “Concequenses of War” a RIP SOLDIER embala o som Thrash poderoso numa linha guerrilha, com direito aqueles back vocals oitentistas que estamos acostumadas a ouvir e criativos riffs, que se destacaria em todas as faixas deste álbum.

Na “Dominus Belli”, eles acalmam os ânimos e nos fazem ouvir uma faixa instrumental, com dedilhados e efeitos de teclados.

A partir da virada da batera de Daivison, voltamos a pauleira, mas dessa vez no “lado B” do CD, pois é, parece que o Álbum The True Soldiers Never Die é dividido em duas partes, a partir da 5ª faixa, "Honored in Death", tudo soa mais quebra pescoço. A RIP Soldier tenta expressar nessas melodias que sabe fazer mais que um Thrash Core, pois fica mais pesado e rápido.

“Hung War Pest Death”, com quase 2 minutos de puro instrumental “Thrashão” Thyago resolve cantar, talvez nem precisasse, pois a melodia falava por si só.

Ainda detonam a faixa que dá nome a banda, em seguida a história das putas, em   “The Whores never Back”. Agora é a vez de “Thrash Metal Force” que realmente soa como espancamento, é a música mais lapada que vangloria o movimento Thrash Metal, pra fechar com "Thrill Kill" um som mais Death, rótulo que a banda mostra está partindo, eles ao vivo soam mais Death.

Assim eles devem ser lembrados, banda que começou no Thrash e parte para o Death. Algo que merece ser comentado é o trabalho muito bem feito em termo de qualidade de elaboração de melodias e equalização, ótimas! E o trabalho de divulgação, afinal a banda luta sozinha (de forma independente) e vem ganhando espaço justo. A banda dá a cara a tapa e sangue pelo o que faz.

Myspace

MSN: lordgladiattor@hotmail.com


                                                                                        (por Hugo Veikon)