Banda: MURDER RAPE

Categoria: Black Metal

Ano: 2013

Aqui não se trata de apenas mais uma banda de Black Metal e não se trata de mais um lançamento. O “For Evil I Spill my Blood” é o lançamento da renomada banda curitibana MURDER RAPE, que sempre foi uma banda que lançou materiais de uma sonoridade e uma linha de pensamento ímpar, sem apego a política ou patriotismo.Puro ódio!

‘For Evil I Spill my Blood’ vem para dar continuidade aos elementos agressivos que constavam no álbum anterior ‘Evil Shall Burn Inside me Forever’, que inclusive não é apenas o nome do full – length de 2001, é também o nome da primeira faixa deste petardo lançado em 25 de novembro de 2013, coincidentemente dia do doador de sangue (fazendo comparação ao título do álbum). E essa primeira faixa vem aglutinada a uma intro que a princípio você até pensa que virá um som mais dark, como foi no ‘...and Evil Return’, mera ilusão. A agressividade escorre ao longo de todo ‘play’ e você consegue observar, que inclusive, a guitarra de Ipsissimus (guerreiro que fez parte de todos os lançamentos oficiais da banda) e Maleventum (que já fez parte da Imperious Malevolence e Infernal, talvez daí uma exploração maior de peso) soa com uma distorção mais suja, e o grave do baixo de Agathodemon se iguala ao peso e som saturado das guitarras. Apesar do peso, as músicas têm passagens cadenciadas das tradicionais bandas de Black Metal antigas como se ouve na também violenta “Hate, Vengeance and Glory”.

A experiência do baterista Warhate Sower, que também já integrou a banda de Death Metal Infernal, foi fundamental para a execução do peso. O Vocal de Nargothrond trabalha da mesma forma que expeliu no trabalho anterior. E repetindo algo que eles fizeram no seu Debut oficial, 'Celebration of Supreme Evil', e no ‘Evil Shall Burn Inside me Forever’, neste novo petardo também há uma música instrumental, intitulada de "Antichristi Adventum",  com sussurros e exploração de teclados, instrumento este tocado por Fernando Nahtaivel, que é da também curitibana Insane Devotion e fez essa participação em outras faixas deste atentado.

A mais cadenciada é a sexta faixa "Through the Flame of the Fiery Light", que destacaríamos pelo andamento que essa ode tem, pela exploração lírica escrita tratando o centro da música como o "nós" (We) de forma coletiva, como uma verdadeira horda, da mesma forma muito explorada nos álbuns '...And Evil Return' e ‘Evil Shall Burn Inside me Forever’. Com toda a linha filosófica explorada nos primórdios da banda, como citado no trecho desta música "... Oh Cernunos hear our call / Liberate us from the prison of the world / Open the sight of the inner eye... We invoke thee oh loved lord..."

O CD acaba de forma súbita, mas a faixa de encerramento, "Wings of Raven", também é outra que poderíamos dar maior destaque pois a mesma tem uma letra absolutamente lúgubre, porém discorrido de forma poética.

A perfeição e perversidade não ficam a cargo apenas das melodias e letras expelidas, mas toda a parte gráfica merece total atenção. Eles não abandonaram "the goat" e isso já começa na capa 'slipcase' que envolve o box, com detalhe para o verniz localizado, tanto na frente quanto no verso. A inovação da sigla MR como logo, que unidos formam um crucifixo de ponta a cabeça. A arte da capa, pintura assinada por Joe Pegano, com o layout e design sob a responsabilidade de Marcelo Vasco, a laminação fosca em todo o encarte que o protege de dobras ou manchas de dedo. Aqui é tudo muito detalhado e enigmático: A ilustração de um brinde celebrando o fim do mito, na primeira página da música " Evil Shall Burn Inside Me Forever" e a ilustração de corvos anunciando a música "Wings of Raven"... Tudo merece ser explorado com grande atenção.

É... a mais pura essência do mal, em forma de música, está de volta!

(por Hugo Veikon)

                                               << Voltar ao Site