Banda: KRUEGER

Categoria: Death Metal

Ano: 2014

Tendo suas raízes em Campina Grande/PB, mas agora radicados no Rio de Janeiro, a Krueger, após 13 anos, lançou seu segundo full-lenght, intitulado “Return to Death”, que marca a volta de uma das bandas no Brasil com mais tempo em atividade, com cerca de 27 anos de carreira.

Apesar de toda a evolução no gênero death metal, desde os tempos que a banda foi fundada, a Krueger manteve-se firme e forte ao seu estilo mais Old School dos anos 80, com fortes influências da lendária banda americana Obituary, só que em algumas músicas os caras soam mais rápidos que os americanos,  tanto é, que a Krueger soa bem agressiva e tem também um lado progressivo, comandado por Thomas Abrantes com seus solos na guitarra. Maurício Cardoso faz bastante uso de blast beats em sua bateria tornando o som bem mais old school. Enquanto isso, os membros antigos, Zé Carlos (no baixo com andamento bem acelerado) e Adriano (com o gutural rasgado casando com sua agressividade das cordas vocais com a guitarra) fecham o time.

“Return To Death” pode ser classificado como aquela frase que já usamos inúmeras vezes: FAÇA VOCÊ MESMO! O álbum foi lançado de maneira totalmente independente e a banda vem fazendo um trabalho árduo, porém prazeroso para divulgar o trabalho,  que foi produzido pelo próprio Adriano Kueger e gravado no próprio estúdio da banda, batizado como o QG KRUEGER, que nos brindou com essa pedrada (risos). O trabalho foi masterizado e mixado por Maurício Costa com auxílio de Adriano. A arte da capa foi produzida pelo conhecido design gráfico pernambucano Alcides Burn, que também desenvolveu o logo da banda.

Com uma ‘voadora nos peitos’, “Return To Death” é faixa inicial que mostra a banda retornando da morte. Os blast beats são bem usados, marcando todo tempo da música que é bem rápida. Já dá pra perceber o quanto os caras estão entrosados e as vozes marcantes. “Blood” é a segunda faixa, que, por sinal é bem curta (com apenas 2'29”), mas que já lhe agrada caso você já tenha gostado da primeira, pois a mesma tem os mesmos andamentos da primeira música. “Flesh, Lust, Temptation” é uma das minhas faixas preferidas, comriffs que grudam na cabeça. É uma música bem cozinhada, onde os gritos das guitarras deixam tudo num clima bastante agradável do começo ao fim, literalmente. A música tem um finalzinho legal. No encarte, onde tem a letra da mesma, já dá pra ter uma ideia. “Technology Chaos” é uma faixa direta, onde o prolongamento da mesma também é bem direto etoda harmonia é direcionada, caindo no momento certo, sem deixar a desejar. “Theaters of Greed”e “Mr Time” são duas faixas frenéticas e agressivas, principalmente na bateria e variação de vocal, enquanto “Abstract Process” mostra uma harmonia incrível e bem progressiva.

Para fechar o disco, “Imperfect” e “Inferno”, que são músicas com inícios mais lentos, porém terminam ríspidas em um típico death metal que lhe segura até o último instante.

Neste cd a banda usou riffs isolados no meio de algumas faixas, isso talvez tenha sido um ponto não muito bom, devido a qualidade de gravação que deixa quase passar despercebido esses trechos.

Com este “Return to Death” a Krueger volta pra levantar a bandeira do underground nacional e nos remeter aos primórdios do death metal, feito com muita raça.

 

(por Ismael Guidson)

                                               << Voltar ao Site