Bandas: IMPERATIVE MUSIC

Categoria: Coletânea

Ano: 2015

Em mais uma compilação da IMPERATIVE MUSIC, chegando agora na décima edição, sempre com bandas de estilos variados e de distintos lugares do mundo.

As portas se abrem com uma banda muito importante do cenário do thrash metal mundial e nesta edição a honra ficou a cargo dos alemães do Kreator e a faixa escolhida foi a “Civilization Collapse”, que integrou o último oficial da banda, em 2012. E aí já começa a sessão de bandas brasileiras, iniciando com SIRIUN, uma banda de Death Metal técnico, o que outros também classificam como progressivo, mas eu resumiria dizendo que é uma banda que explora técnicas no segmento Death Metal e eles aqui aproveitaram pra expandir sua estreia, pois se trata de uma banda recém formada, mas de ótima qualidade musical. Outra brasileira que apareceu nesta edição foi a RAGE DARKNESS com a faixa “Engine of Misanthropy” onde eles divulgam seu Death Metal com mais Groove e menos pegada extrema. É interessante ver bandas que tocam death metal que tentam evitar ao máximo o ‘mesmismo’. E o Brasil dispara a frente nessa compilação, porque a quarta faixa é também de outra banda local, no caso, a SEMBLANT, que soa como aquelas típicas bandas européias do final dos anos 90, com pegadas enfeitiçantes. Fui até atrás do nome da vocalista que tem uma belíssima voz... ficou curioso? O nome dela é Mizuho Lin. E eu que admiro tanto as bandas do Japão serei obrigado falar mal de uma gravação vinda daquele país, a lendária banda LOUDNESS, que nos apresentou uma música pegajosa e muito boa, mas, infelizmente, a gravação não ajudou a colherem comentários melhores. Fora isso, a banda é ótima.

NEW BAND é mais uma brasileira na coletânea. Oriunda da Paraíba, eles aproveitaram a compilação para divulgar seu nome no underground mundial, mas não trazem nada de novo, pois é um thrash meio speed, mas é bem tocado e bem gravado. Se a banda explorar mais sua criatividade fará um ótimo trabalho.

THE WASTED é outra banda brasileira e esta nitidamente bebe da fonte do Biohazard, ou seja, aquela pegada mais groove. Eles são de São Paulo e é mais uma banda relativamente nova. A gravação está boa, embora pudesse ter mais peso.

NUMBNESS vem do norte do país e tem uma mistura de som bastante diferente. A banda estampa em seu release o estilo Thrash mas, sinceramente, não consegui ouvir thrash metal nesta banda. Eu a rotularia como crossover porque as mesclas são nítidas. Na gravação, o contrabaixo ficou mais alto que os outros instrumentos.

YURI FULONE é um artista que trabalha one-man-band e o cara manda super bem pra essa linha Power Metal... digo a você que gosta dessa linha de som que vale muito conferir. O que se destaca nele é a variação de vozes que o Fulone explora. É realmente muito técnico.

Ao longo da compilação há várias outras bandas de outros países que nós não detalhamos, pois nosso foco é divulgar o underground brasileiro, ou artistas brasileiros que contribuem com o Metal ao longo do Mundo. Mas dentre essas bandas há umas que vamos destacar como a Clandestine, que não é fácil de rotular e você consegue ouvir um pouco de tudo dentro das vertentes do metal, apesar da gravação estar abaixo da média, mas eles estão lá com toda garra divulgando seu som, firme e forte. E outras que têm uma boa gravação e uma ótima qualidade musical como a DeGrace (Japão), que apresenta uma puta qualidade musical e uma gravação também de ótima qualidade. A Violent X (Noruega) tem uma essência que não sei explicar, mas é típico dos europeus. Tem também a Incidence (Bolívia) e tantas outras mais.

Se você já conhece o trabalho da Imperative Music já sabe como funciona a Qualidade. Se não conhece, este eu recomendo!

(por Hugo Veikon)

                                               << Voltar ao Site