Banda: HEAVENLESS

Categoria: Death Metal

Ano: 2016

Fiquem certos disso: As palavras sussurradas no começo do cd são um dos poucos momentos calmos da audição! A pancadaria deste Whocantbenamed, aliada a uma ótima produção, a cargo de Cassio Zambotto, faz com que este debut do Heavenless, banda erradicada em Mossoró/RN, nos surpreenda pela qualidade em vários pontos. A parte gráfica é até simples, mas completa, com letras e simbologias que remetem ao significado do nome da banda e do título do cd.

Logo na faixa de abertura, "Enter Hades", um riff simples e preciso de Vinícius Martins colide com a batida cheia de groove de Antônio Vicente, causando um estrago, mas aí vem Kalyl Lamarck com baixo e voz pra completar a explosão. Em "Hopeless" os caras mantém o groove, com direito àquelas paralisações ritmadas de som, bem típicas do Death Metal americano. Já "The Reclaim" quase um doom, bem arrastado e com arranjos muito legais. Aí a porrada volta em "Hatred", que tem até alguns blast beats que acompanham o riff cadenciado no início do som.

O início de "Soothsayer" já dá pistas dela ser outro som bem barulhento! Após a dissonância inicial, um riff quebrado é acompanhado por uma batida igualmente quebrada, formando uma estrutura muito legal. Neste ponto do cd nota-se que a sequência das músicas foi bem legal pois após a cadência vem a lapada e "Uncorrupted" é a prova disso, pois começa com groove mas a lapada dá as cartas. Exceto pelo vocal de Kalyl, "Odium" lembra bastante o Obituary, que antecede uma de minhas preferidas, "Point Blank" e fecham o cd com "Deceiver".

O que podemos dizer da Heavenless é que os caras sabem bem dosar o peso, sem precisar abusar da velocidade ou de elementos modernosos. São um power trio sem firulas mas MUITO barulhentos, como blasfema a cartilha daqueles que gostam de um bom som.

Cheers!!!!

(por Léo Quipapá)

                                               << Voltar ao Site