SODAMNED foi formada em Santa Catarina, em 1999, misturando a sua essência musical velocitade, peso e melodia. A banda após dois lançementos (um demo e outro split) a banda lançou em 2011 o Full Length The Loneliest Loneliness e a partir desse material a SODAMNED fez sua tour pela Europa, mostrando seu peso. Em uma conversa com o Site Arena Metal a banda comenta como foi essa experiência.

Arena Metal – Primeiramente agradeço a SODAMNED, o material cedido ao site para realizarmos um sorteio, e inclusive é sobre o material sorteado que quero fazer a maioria das perguntas. Bem o material foi lançado em 2011 e tem uma puta qualidade música, mixagem e arte gráfica. Eu tenho o material mas fale para nossos leitores sobre os conceitos literários do “The Loneliest Loneliness”.
GILSON:
Opa, nós é que agradecemos as palavras e esta oportunidade de divulgarmos um pouco mais do nosso trabalho a quem acompanha o Arena Metal! Quanto as letras, estas não possuem exatamente um conceito, cada letra fala sobre um assunto diferente, geralmente relacionada a assuntos mais introspectivos das pessoas ou assuntos com algum cunho mais filosófico. O que realmente une uma letra à outra é uma questão mais estética: procuro sempre escrever de forma mais metafórica e não direta. Assim cada pessoa que lê a letra dá uma interpretação diferente, o que acho legal, pois nosso lance é fazer as pessoas pensarem por si mesmas, usando sua própria imaginação e não ficar pregando uma verdade universal.

Arena Metal – Tem partes de algumas músicas da SODAMNED, cito exemplo a fudida Painted in Blue, que vocês cantam em português. Qual a razão para fazer esse mix de línguas?

JULIANO: Cara, na verdade o Gilson sempre curtiu escrever sonetos, poemas, que acabaram virando letras, porém, quando a gente traduz isso pro inglês, acabamos perdendo rimas, métricas, enfim, a musicalidade que a coisa tinha em português. No caso da Painted, apenas essa parte da letra era rimada, então a gente acabou decidindo deixá-la em português mesmo, pra evitar essa perda, e ao mesmo tempo agregar um diferencial na música. O resultado que a gente conseguiu no CD com a participação do Éder foi realmente interessante.

Arena Metal – Essa tour na Europa contou com a participação da banda Pain of Soul, e o split que a Sodamned participou contou com a banda Dark Celebration, no “The Loneliest Loneliness” vocês contaram com o Éder da Sorrowful Dream (como falamos), essas parcerias com bandas vizinhas é coincidência ou é uma estratégia?
JULIANO:
Bom, quanto à Pain of Soul, na verdade eles são a outra banda do nosso baixista, além de sermos amigos desde o começo, as duas bandas começaram praticamente juntas. Precisávamos de uma parceria para ir para a Europa e não foi difícil fechar essa parceria com uma banda que desde o incício tem acompanhado e dado força ao Sodamned. Quanto à participação do Éder, o que aconteceu foi que eu e o Felipe somos fãs do ASD, e o “The Loneliest Loneliness” é o segundo trabalho que gravamos em Caxias do Sul (Nitro Sound), e como o Éder mora em uma cidade vizinha de Caxias, logo pensei em convidá-lo a fazer participações no CD, já que eu acho que ele canta demais. Passamos um domingo juntos no estúdio gravando com o Éder, e depois já até tivemos a oportunidade de fazer um show junto com a ASF, e nesse show o Éder fez as participaçõe ao vivo, o que foi demais.

Arena Metal – A banda vem de uma tour pela Europa de divulgação do “The Loneliest Loneliness” e alguns shows por aquele continente. Como foi fazer essa tour, como foi a receptividade dos bangers e como foi essa experiência?

JULIANO: Com certeza foi um sonho realizado. Pessoalmente, a experiência foi excelente, pois em nossa tour nós conhecemos 11 países da europa, apesar de termos tocado apenas em 6 deles. Para a banda, o resultado foi muito positivo, tivemos boa receptividade, o pessoal lá é curioso sobre as bandas brasileiras, pergunta, agita, compra o material, e mesmo nos shows que contaram com pouco público a gente considerou a resposta boa. Já estamos planejando a próxima.

Arena Metal – A banda após essa tour Europea, tem pretensão de fazer alguma tour pelo nosso país?
JULIANO:
Certeza que sim, aqui no brasil é um pouco mais difícil conseguir passar um mês tocando, como a gente fez na europa, mas a gente tá com alguns planos pro Norte/Nordestes do país, bem como alguns shows que estamos agendando em MG. Gostaríamos MUITO de tocar pelos 4 cantos do país, estamos procurando entrar em contato com produtores de tudo que é canto, mas quem quiser nos ver tocando, é só entrar em contato.

Arena Metal – Vi no encarte do cd um Thanks para César da Insana Booking, e ai ele vai articular uma vinda de vocês pra cá para PE ou nordeste? Diz logo ai a proposta, pois vai que algum organizador pode ler essa entrevista.
JULIANO:
Cara, a gente trabalhou um pedaço da tour européia com o Insano, por isso do agradecimento, não temos mais nenhum vínculo com ele ou sua agência. Estamos em contato, por enquanto, com 4 ou 5 produtores aí de cima, e estamos apenas estudando as datas pra disparar uma tour aí pelo nordeste, é certo que em 2012 isso irá, finalmente, acontecer. Como eu já disse anteriormente, os produtores interessados podem entrar em contato com a gente, pois estamos abertos à negociações e doidos pra conhecer a terra de vocês.

Arena Metal – Nesses últimos anos vem rolando uma seletiva para fazer parte de uma dos maiores eventos de Metal do mundo. Qual a opinião da banda quanto a essa forma de seleção?
JULIANO:
Apesar de já termos participado de duas delas, eu acho bem inválida. Como é que você pode assistir ao show de quatro bandas de estilos completamente diferentes, do heavy melódico ao brutal death, e decidir qual delas é melhor? Daí você recebe e-mails e anúncios das bandas pedindo votos e tudo mais, como se a coisa toda fosse sobre a banda com mais amigos e mais tempo para pedir votos, e não a banda que, de fato, melhor representaria o Brasil. Não creio mesmo que seja algo imparcial.
GILSON:
Pois é participamos duas vezes e ficamos com raiva duas vezes. Obviamente não pelo resultado da seletiva, pois nos dois anos que participamos as bandas que ganharam tem uma puta qualidade. Mas nos sentimos prejudicados pois, primeiro como o Juliano falou não dá pra comparar se uma banda de Power Metal é melhor do que uma de Death Metal – o som e a postura de palco para cada estilo é diferente, e depois geralmente quando se organiza um show no Brasil o equipamento de som não é dos melhores, e o técnico de som não entende nada de nada – pra este tudo é barulho mesmo – então as bandas com um som mais sujo tendem a não ter o mesmo desempenho de outra com um som mais limpo.

Arena Metal – Falando em som sujo, é característico das músicas da SODAMNED começar mais extremo e do meio para o final ter algo mais cadenciado, isso é pra mostrar que a banda tem mais que velocidade, tem também técnica musical?

JULIANO: Acho que não tem motivo pra isso, o único motivo para mudanças de andamento é que realmente eu gosto disso. Tem vezes que eu começo a compor uma música com uma ideia totalmente brutal e de repente percebo que ali cabe uma parte arrastada, doom, melodiosa, enfim, é coisa de composição.

GILSON: E a gente não houve somente música brutal, cada um de nós tem seu gosto musical próprio, mas temos em comum o fato de sermos bem ecléticos quando o assunto é música e Metal.

Arena Metal – Pra finalizar, diga-nos quais as influências literária, musicais e peço que digam quais músicas vocês querem solicitar pra gente por em nosso programa Insana Harmonia?
JULIANO:
Da minha parte, gosto de coisa demais e tudo acaba influenciando um pouco. A maior parte do tempo estou ouvindo metal mais extremo ou doom, essas são minhas maiores influências. As músicas que gostaríamos de ver tocando no Insano Harmonia são a ‘Fear’ e a ‘Tortures and Nightmares’.
GILSON:
Isso ae, essas músicas representam bem a gente. Da minha parte o que gosto realmente de ler é fantasia, terror, ficção científica, um pouco de filosofia, quadrinhos... Gosto mesmo de autores como Edgar Allan Poe, H.P. Lovecraft, Nietzsche, Allan Moore... tem um monte de caras que possuem obras que gosto muito. Musicalmente ouço de tudo no Metal, do tradicional, passando pelo Thrash até o Black, Death, algo de Grind também, só não curto muito Metal melódico e Funeral Doom.

Myspace

                                                                                             (Por Hugo Veikon)

<< Voltar ao Site