O Pandemmy foi criado em 10 de janeiro de 2009, em Recife.
Unindo elementos de thrash e death metal junto às influências musicais de cada integrante. Em fevereiro de 2010, a banda lançou a demo Self-Destruction
com quatro músicas próprias, que foi bem recebida pelo público.
A banda nos fala um pouco sobre suas atividades de 2010 – 2011.

Arena Metal - Antes de falar da repercussão do Demo Self Destruction. Gostaria de saber como funcionou o recrutamento dos músicos?
PEDRO – Depois de sair do Monstera, eu tive vontade de iniciar uma nova banda com uma sonoridade mais agressiva. O primeiro músico que eu convidei foi o baterista Fausto Prieto. Logo após convidei o Diego Gomes para completar a dupla de guitarras comigo e o Augusto Ferrer para o baixo. Começamos a ensaiar sem vocalista mesmo e depois de alguns meses e alguns testes com alguns vocalistas, encontramos Rafael Gorga que foi a escolha perfeita para os vocais.

Arena Metal - Logo em seguida veio o Debut demo. Pedro já tinha algumas bases prontas ou rolou um “brain storm” de elaboração das músicas?

PEDRO – Eu já tinha duas músicas prontas (Self-Destruction e In Front Of Death) que eu trouxe do Monstera. Mas no Pandemmy mudei uns arranjos para dar uma nova cara a essas composições. Heretic Life eu já tinha praticamente pronta e com a ajuda da banda consegui terminá-la. Burn My Clan foi a única música da demo que compomos em estúdio.

Arena Metal - A banda conseguiu logo um público fiel aqui em PE, lotando quase sempre onde tocava. Vocês diriam que a Pandemmy acertou em cheio o estilo? Ou simplesmente vocês fazem o estilo que gostam e o resto é consequência?
PEDRO – Tivemos sorte por tocar em bons eventos e ao lado de bandas em destaque. A sonoridade do Pandemmy não foi nada proposital, é um som nos agrada e que fazemos com muita vontade e perseverança.

Arena Metal - Vocês já tinham em mente em fazer uma levada Thrash ou as coisas rolaram naturalmente depois de umas criações de riffs aqui outra ali?
PEDRO – Tudo Aconteceu naturalmente. Praticamente todos da banda escutam e são influenciados por bandas de Thrash e de Death Metal.

Arena Metal - Houve uma resenha em uma determinada revista, nesta citaram a banda era Death Metal, no meu ponto de vista a banda é Thrash Metal, como vocês definem a banda?
PEDRO – A banda está no início de sua jornada e lançamos apenas uma demo, que tem passagens tanto de Thrash, quanto de Death Metal. Talvez pelo nosso estilo de vocal, algumas pessoas preferem dizer que o gênero Death Metal predomina em nosso som. Lançaremos um EP no início de 2011 e assim iremos construindo nossa identidade musical.

Arena Metal – Previsto para lançamento em 2011, já sei que se chamará Idiocracy. Esse soa algo mais político, comente sobre essa temática, porque ela me parece bastante diferente da anterior.
PEDRO – Não são muito distantes das temáticas abordadas em nossa demo. As letras do Ep têm coisas em comum com o termo Idiocracy, seja de uma maneira mais direta ou mais abstrata. Abordamos diversos aspectos políticos e sociais. Uma das músicas, por exemplo, se chama “The Price Of Dignity”, fala sobre a desvalorização do ser humano no trabalho. Já “Involution Of A Lost Society” é uma crítica sobre o atual comportamento da sociedade e as conseqüências de nossas ações.

Arena Metal – Sobre a gravação, a banda anunciou no blog que o Idiocracy está sendo produzido por Adriano Leão, vocês já conheciam o trabalho do cara? Ou foi por amizade?
PEDRO – Já conhecíamos o trabalho dele sim. Ele foi quem produziu o EP dos nossos brothers do Inner Demons Rise e também já trabalhou com o pessoal do Nobb. Gostamos muito do trabalho dele, além de ter se tornado um amigo da banda.

Arena Metal – Quando vocês dizem produtor querem dizer que ele funcionou, também, como mais um membro da banda? Quero dizer opinando sobre timbre, afinação, equalização... enfim!
PEDRO – Adriano está dividindo a produção juntamente com toda a banda. Em todos os aspectos há um consenso entre ambas as partes e ele tem contribuído muito com sua experiência e nós temos aprendido muito com ele.

Arena Metal – Eu observo que na hora de tocar, muitas bandas underground de nossa cidade ainda não tem seu próprio Técnico de Som (mesário). Adriano Leão exercerá também essa posição?
PEDRO – Não sabemos ainda, mas não descartamos essa idéia.

Arena Metal – Ainda sobre a gravação. Por o Idiocracy parecer ter uma lírica forte vocês pretendem deixar os vocais em 1º plano nos canais?
PEDRO – Acho que todo o trabalho tem que ser equilibrado. Nenhum instrumento tem que estar acima do outro. Pelo menos com a gente funciona assim. Em relação a demo todos os instrumentos estarão um pouco mais trabalhados.

Arena Metal – Soube que vão adicionar teclado nas gravações, quem será esse músico? Rolará esse “featuring “ ao vivo (nos shows)?
PEDRO – Os arranjos de teclado têm a finalidade de enriquecer mais as músicas. Não serão todas as composições do EP que terão arranjos desse instrumento. Não iremos utilizar teclado ao vivo, somente nas gravações. O músico que vai nos dar essa força é nosso amigo que também é guitarrista da banda Gandavo.

Arena Metal – Por fim deixe, agradeço a entrevista e peço que deixem os planos de tour e lançamento da Pandemmy, para o ano de 2011.
PEDRO – Muito obrigado Hugo pela entrevista! Parabéns a toda equipe do Arena Metal por fazer deste mais um espaço dedicado ao Heavy Metal. Nossos planos para 2011 são, lançar nosso primeiro EP e divulgar essas 6 novas faixas o máximo e o melhor possível. Quem quiser acompanhar mais de perto as novidades do Pandemmy é só acessar nosso blog ou nosso myspace. Em nome de toda a banda gostaria de desejar um ótimo início de 2011 para todos e que próximo ano seja tão produtivo quanto foi 2010.

www.pandemmy.blogspot.com       |       www.myspace.com/pandemmy

(Por Hugo Veikon)

<< Voltar ao site