A PAIN OF SOUL, de Santa Catarina, formou-se em 2000, lançou algumas demos e em 2011 vieram com "The Cold Lament", o suficiente para alcançar uma tour pela Europa. Conversamos com a vocalista Dani, que nos informou sobre essa tour e também acerca de novidades da PAIN OF SOUL

Arena Metal - Primeiramente agradeço pelo tempo cedido em responder esta entrevista. Inicialmente gostaria de saber como foi a aceitação do público com o material The Cold Lament, lançado em 2011?

Dani: Disponha! É um prazer compartilharmos um pouco mais sobre a Pain of Soul. A aceitação do público com The Cold Lament foi muito boa, acima das nossas expectativas. Por ser nosso primeiro Debut álbum independente, sem ser só mais um material demo, possibilitou avanços que até então não alcançávamos. Há duas semanas, enviei este material para a Lituânia... impressionante até onde nosso som está chegando!

Arena Metal - Aqui no Brasil os Metalheads parecem não dar muita atenção ao Doom/Death, mas como é lá na Europa, visto que este material rendeu até uma tour Européia junto a banda de Death Metal Sodamned. Você compartilha esse mesmo sentimento meu?

Dani: Bom, nosso público costuma comparecer de forma maciça nos nossos shows... cada vez mais, percebemos a presença de mais pessoas, que curtem e cantam nossas músicas, o que realmente é muito gratificante, especialmente depois de tantos anos. Fazemos questão de ter grande consideração por todos, e dar a devida atenção, seja antes, durante ou mesmo após os shows.

O público europeu é maravilhoso, muito receptivo e educado. A diferença é que, quando fomos pra lá, sequer  boa parte do público tinha conhecimento da nossa existência, mas lá  há algo diferente daqui: seja segunda-feira, seja quarta-feira... se rolar algum show, o pessoal vai e também compra o material disponível. Agora até já têm rolado alguns shows durante a semana por aqui, mas ainda não caiu no gosto da maioria...

Aliás: o que diferencia demais daqui são os horários. Além de lá, atrasos serem inadmissíveis, as bandas começam a tocar pelas 19h, 20h, e não pelas 3h, sendo que era pra iniciar às 00:30h... difícil engolir isso por aqui!

Aconteceu algo muito especial em Ruse, na Bulgária. Quando tocamos lá, era um domingo a tarde, num porão de bar super quente e com pessoas com idade média entre 15 e 30 anos. No dia seguinte, era pra rolar um show em Varna, mas o cara simplesmente sumiu e aí, a Nina, do Metal Club Legacy ofereceu a possibilidade de tocarmos novamente na noite seguinte... Nós e a Sodamned fizemos uma reunião, pesando prós e contras, e decidimos ficar.

Foi de arrepiar – no melhor sentido!!! – ver aquele porão ainda mais socado, em plena segunda-feira ao final do dia, com todo o pessoal da escola, mais amigos dos amigos e etc. e tal, alguns já com camisetas compradas no dia anterior, e outros pedindo sons que não lhes saíam da cabeça, pois haviam ouvido o cd em casa e precisavam nos ver tocando... realmente, algo inesperado e inesquecível!!! E claro, muitas e muitas outras histórias...

Arena Metal - Como foi que vocês conseguiram esse espaço na Europa?

Dani: certa noite, eu, Joel e Luiz conversávamos sobre viajar para a Europa e nos ocorreu a seguinte ideia: se nós 3 tínhamos planos de ir em um ano para lá, e a Sodamned estava marcando shows, por que não abraçar a possibilidade? Precisávamos somente conversar com o Peter, já que o Felipe, que oficialmente é baixista da Pain of Soul, iria de qualquer maneira.

Deu tudo certo, pois o Juliano e o Gilson já estavam agendando tudo e, como por várias vezes dividimos palco, na hora eles toparam com a ideia.

Arena Metal - E aqui no Brasil como foi de shows?

Dani: Razoável. Acho que por aqui ainda há muitas restrições: quando você recebe um convite para tocar mais longe, o deslocamento, por vezes, se torna inviável. Desta maneira, acabamos não alcançando a diversidade de localidades que gostaríamos, porém, para o próximo CD, planejamos ir mais longe por aqui. Já recebemos convites para tocar em outras regiões e, provavelmente, quando o fizermos, será em dias sequenciados podendo, deste modo, ir além de 2 shows numa mesma semana.

Arena Metal - Bem, vocês acreditam que o metal nacional vem recebendo o devido reconhecimento aqui em nosso pais?

Dani: Eu acredito no metal nacional, mas acho que não está sendo tão valorizado quanto deveria. Não pelas bandas deixarem a desejar, mas, convenhamos: Raras são as bandas aqui que conseguem viver única e exclusivamente da banda. A grande maioria possui emprego, precisa ralar muito pra conseguir gravar um material legal, fazer uma capa bacana, arcar com despesas em viagens que, quando acontecem e alguém paga pelo transporte, hospedagem e rango, ainda precisa voltar rapidinho pra não faltar no trabalho!

É muito difícil isso, e aqui, a menos que você realmente saiba o que quer e o quão determinado está a ser, não aguenta, porque é muito puxado e dispendioso.

Temos músicos/bandas de excelente padrão, com trabalhos incríveis, mas que permanecem amarrados pela falta de incentivo que sim, existe, e muito, no Brasil. Lamentável!

Arena Metal - Já soube que vocês estão produzindo novo material, que já tem título, The Rustle of the Leaves. Esse material seguirá a mesma linha de som ou ficará mais pesado?

Dani: Acho que nossos CDs sempre mostram algo novo... Atento muito às opiniões de quem ouve nosso som e, até agora, de maneira unânime, os comentários foram os melhores possíveis, e ouvimos desde que a qualidade está impecável até as músicas em si... Muito positivo!!!

Arena Metal - O que teremos de especial no The Rustle of the Leaves?

Dani: Neste CD trazemos uma logo nova, mais “clean”, além de um belo trabalho de capa, ambos desenvolvidos pela GGeDesign, de Balneário Camboriú/SC e, claro, a masterização e mixagem feitas pelo legendário Harris Johns, o qual ofereceu pessoalmente esta possibilidade após nosso show, no Blackland Berlin. Estamos muito satisfeitos com o resultado final!

Arena Metal - Quais as melhores referências de bandas brasileira na linha de vocês que vocês podem indicar para aos que estão lendo essa entrevista?

Dani: bem, em 1995, quando eu e o Joel estávamos na Lugubrious Aesthetics (Doom), a quantidade de bandas doom no Brasil era mínima. Daquela época, cito a Serpent Rise (RS), Silent Cry (MG) e a  Mythological Cold Towers (SP). Anos depois, já com a Pain of Soul, conhecemos a A Sorrowful Dream (RS) e a Lachrimatory (PR) e, mais recentemente, a Volkmort e a Agony Voices, ambas de SC.

Arena Metal - Esse material será lançado independente ou contará com alguma gravadora?

Dani: independente.

 Arena Metal - Já é possível conferir algumas dessas músicas no myspace de banda, que foi onde conferi. Então, pra finalizar, nos diga onde mais as pessoas podem adquirir o material da Pain of Soul?

Dani: solicitações podem ser feitas através do facebook da Pain of Soul [FACEBOOK] ou pelo e-mail: painofsoul.doommetal@gmail.com

O CD encontra-se em processo de prensagem, mas deverá estar disponível a partir da terceira semana de junho/2013.

Myspace

(Entrevista por Hugo Veikon)

 

<< Voltar ao Site