A banda NERVOCHAOS lançou um box-set que traz toda a história da banda, como não gostaríamos que isso passasse batido, registramos com a banda uma entrevista para saber um pouco sobre o ponto de partida da ideia desse lançamento e conversamos com Edu Lane, que nos relatou detalhadamente sobre esse tema e vários outros tópicos.

(Entrevista por Hugo Veikon)

Arena Metal - Primeiramente queremos lhes parabenizar pelos 17 anos e pelo histórico que a banda conseguiu expor no Box Set (Dois DVD Mostrando a vida na estrada e processo de composição e ainda um CD de áudio)... enfim. Fale-nos de quem foi a ideia?
Edu - Muito obrigado e fico contente que você curtiu o material todo. A ideia foi minha pois sempre tive essa vontade, esse sonho de ter um DVD da banda. Resolvemos ir mais além e acabamos com um projeto enorme contendo 2 DVDs e 1 CD. O box-set é realmente um presente, tanto para gente como para aqueles que gostam da banda. Retrata bem o que é a banda e tudo o que passamos ao longo dos anos. Acho que conseguimos mostrar de forma verdadeira como é a banda, como foram todos esses anos, todos os obstáculos e vitórias que conseguimos e também como funciona o underground e a nossa cena em geral. O CD que vem no box-set contém as 3 demo-tapes que lançamos na integra e ainda faixas ao vivo do CD ‘To The Death’.

Arena Metal - A arte do DVD ficou muito foda, as animações, definitivamente tudo... o resultado ficou do agrado? E já teve algum feedback positivo?
Edu - Sim, ficamos muito contentes com o resultado final do material. Trabalhamos forte durante 1 ano e 9 meses para concluir esse projeto. Temos recebido excelentes críticas por parte da imprensa especializada e também do público. A aceitação tem sido excelente vide a grande demanda pelo material.

Arena Metal - Muitas pessoas respeitam mais as bandas quando elas sabem que essas são admiradas lá fora, e vocês mostram isso no DVD, a admiração dos bangers lá fora. Vocês acham que isso trará também esse lado aqui no Brasil? Ou não?
Edu - Infelizmente ainda há essa síndrome no Brasil e não percebemos isso no exterior. A nossa base de fãs no Brasil tem aumentado gradativamente e acredito que com esse DVD a tendência é aumentar ainda mais. Não lançamos o DVD pensando na admiração dos fãs e sim em deixar registrada a nossa historia e também para que as pessoas possam conhecer a realidade nos bastidores e no dia-a-dia da banda.

Arena Metal - No histórico da banda vimos que vocês mudaram muito das bases do Thrash para Death. Vocês acreditam que essa mudança provem das várias formações que a banda passou?
Edu - A banda nunca se prendeu a rótulos pré-estipulados mas sempre procuram nos rotular ou classificar neste ou naquele estilo musical. Somos uma banda de música extrema, que navega livremente pelas diversas vertentes da música extrema underground. Claro que as mudanças de formação trouxeram sangue novo, novas influências e novas vertentes musicais para a banda, mas jamais deixamos de ser fiéis a nossa proposta inicial. Estamos em constante busca pela nossa sonoridade própria.

Arena Metal - Em falar em formação, você acredita que essa foi a que mais encarou a banda como profissão?
Edu - Não diria como profissão, mas certamente esta formação está sólida, todos somos muito amigos e com os mesmos ideais. Acho que isso é essencial para a duração da formação e percebo que quanto mais tempo passa e mais shows/tours fazemos juntos mais sólida e mais entrosada fica a formação. Estamos todos em sintonia e isso nem sempre foi assim no passado. Por exemplo, pela primeira vez na história da banda conseguimos gravar dois discos de estúdio com a mesma formação, algo que nunca aconteceu no passado. Os atuais membros entendem como funciona o ‘showbusiness’ e realmente vivem o underground, sem modismo e por pura paixão e amor a causa.

Arena Metal - Há dois trechos do DVD 17 Years of Chaos, que me chamam atenção: Uma banda se faz na estrada. Isso vem justamente da seriedade em manter a banda?
Edu - Estar numa banda é por opção e porque gosta; e não porque é uma profissão ou pelas coisas que a banda pode oferecer. Claro que levamos a sério a banda e procuramos sempre agir de forma profissional, mas na nossa visão, uma banda se faz ao vivo, sempre foi assim e sempre será.

Por exemplo, como você quer lutar boxe e não quer levar porrada? Numa banda é a mesma coisa! Se você tem uma banda, tem que cair na estrada. A gente não vive exclusivamente da banda e isso tem um lado positivo e um lado negativo, mas estamos confortáveis com o formato que conseguimos adotar e diria que as coisas tem fluido cada vez mais e melhor. Quem sabe um dia poderemos nos dedicar exclusivamente a banda e assim atingir patamares mais altos.

Arena Metal - O outro trecho eu me chamou atenção é a sua frase “Uma banda Underground, é isso que somos”. O que vem ser uma banda underground pra vocês? Porque pra mim vocês são Headliner, pois encaram essa porra que toda seriedade.
Edu - Obrigado e de fato encaramos com seriedade e profissionalismo sempre. Mas somos uma banda underground e não nos incomodamos por isso. Somos realistas e totalmente idealistas, então o sucesso para gente é ter a banda na ativa, lançando materiais e fazendo turnês. Não estamos preocupados em fazer músicas que viram ‘hit’ ou vender milhões de copias para ficar milionários. Fazemos um estilo de música que não é para todo mundo. Acredito que o underground é isso, quando você realmente vive esse ideal sem pensar em fama, sucesso, dinheiro e etc....acho que tudo isso é consequência de um árduo e constante trabalho. O verdadeiro underground não é e nunca foi por modismo e sim é um estilo de vida que só sobrevive quem realmente ama aquilo que faz.

Arena Metal - A banda realmente investe, isso nota-se nos ataques em divulgação nas revistas, no novo canal - internet, rádio e enfim. Cai na estrada e vai mesmo. Minha pergunta é visitar o Nordeste já virou obrigação? O que é pra vocês tocar no Nordeste?
Edu - Com certeza é obrigatório para gente, mas infelizmente não conseguimos ir na frequência que desejamos e estamos trabalhando para mudar isso. Fazemos shows pelo Nordeste desde 97 e nos últimos anos intensificamos ainda mais a frequência de shows pela região. O Nordeste certamente é uma região muito importante para gente e fazemos questão de passar pela região em todas turnês que fazemos.

Esperamos conseguir visitar o Nordeste anualmente. O investimento em divulgação sempre é feito pela gravadora, mas vamos além disso, pois acreditamos que a melhor divulgação é mesmo tocar ao vivo e por isso sempre procuramos tocar o máximo possível e com a maior frequência possível.

Arena Metal - A banda já trabalhou com várias pessoas desde formação até produtor musical, mas vou destacar um aqui, que admiro como profissional, Trek Magalhães. Como é trabalhar com esse cara em estúdio e ao vivo em show?
Edu - O Trek realmente é um excelente profissional. No passado já trabalhamos com ele em estúdio como nosso técnico de som. Ficamos durante alguns anos seguindo caminhos diferentes, mas desde o ano passado voltamos a trabalhar com ele em nossa equipe como técnico de som.

Arena Metal - Vamos a algumas classificações. Vocês já tocaram em vários locais, mas qual o show que a banda diria ser o mais importante de toda a carreira?
Edu - Todos os shows são os mais importantes da nossa carreira e procuramos sempre dar 120% da gente em cada um deles, afinal as pessoas que vão aos nossos shows para nos assistir merecem sempre o melhor da gente. E como somos uma banda estradeira, estamos sempre aprendendo e evoluindo com os shows que fazemos, mesmo em experiências ruins sempre conseguimos tirar algo positivo e aprender algo.

Arena Metal - Qual música vocês classificaria como filha única?
Edu - Pergunta difícil essa.....rsrsrs.....afinal todos os nossos lançamentos são como filhos pra gente e não há filho mais importante ou mais bonito. Tratamos todos com igual importância mas o que percebemos é que algumas músicas são mais bem aceitas pelo publico.

Arena Metal - Qual disco da NERVOCHAOS é o mais importante pra vocês?
Edu - Assim como na pergunta anterior sobre as músicas, todos os nossos discos são extremamente importantes para gente, afinal retratam uma época, uma etapa da banda. Diria que sempre o mais recente é aquele que chama mais atenção e que demanda mais da banda na hora de executar, mas como disse anteriormente, todos são igualmente importantes para gente.

Arena Metal - Pior experiência que vocês já enfrentaram?
Edu - Acho que a pior experiência é tomar calote e ficar na roubada. Sempre é muito difícil ficar sem comida, sem local para dormir, sem cachê ou ter o show cancelado. Com o tempo estamos conseguindo reduzir drasticamente isso, mas nunca há uma garantia de 100% que isso não poderá acontecer. Por exemplo, na turnê do ‘To The Death’ tivemos apenas um show assim.

Arena Metal - A Metal Media Management é pra mim a melhor assessoria de Metal do Brasil. Como é trabalhar com eles?
Edu - Concordo contigo. Não desmerecendo as demais empresas de assessoria, mas tem sido muito positivo trabalhar com eles e espero que essa parceria seja duradoura. Eles entendem as nossas necessidades, tem um preço bastante acessível e o custo beneficio é extremamente positivo. Espero podermos continuar fazendo parte do cast deles.

Arena Metal - Lançou demo tape, CD, DVD, tocaram na Índia, Palmas (TO)... pow de tudo. O que a banda ainda deseja fazer nessa carreira consolidada?
Edu - Temos diversos objetivos traçados e vamos trabalhar para alcançar cada um deles. Ultimamente temos focado em conseguir ir aos EUA para uma turnê. É um mercado que nunca conseguimos fazer turnê apesar de termos uma gravadora por lá e de termos alguns discos lançados por lá também. Estamos sempre procurando nos superar em termos de lançamentos, turnês e etc, e isso não vai mudar, está no nosso DNA. Muito obrigado pela entrevista, pelo espaço cedido e pelo apoio. Esperamos voltar em breve para esses lados. Quem quiser saber mais sobre a banda, acesse www.nervochaos.com.br .

[FACEBOOK]

 

 

<< Voltar ao Site