A Deicide já mostrou, em uma carreira de mais de 20 anos, que o Death Metal é seu forte. Como quase toda banda, eles já trocaram de formação algumas vezes, mas dois integrantes (Glen Benton e Steve Asheim) estão na banda desde 1989 e tomam a frente da banda até hoje. Em uma conversa exclusiva para o Arena Metal PE, o baterista Steve Asheim falou um pouco desde o começo da banda até os dias atuais.

English version [Read]

Arena Metal - Vocês são de uma época em que o gênero Death Metal estava em formação. Quais suas lembranças dessa época? Como era a cena?
Steve Asheim - Era uma cena pequena, mas estava apenas começando. Como qualquer nova cena, ela explodiu muito rápido mas decaiu muito rápido também. Por volta 95, o modismo acabou. Atualmente ela se recicla todos os anos, mas nada comparado ao impacto inicial. Mas ainda é uma cena muito legal e isso é muito bom.

Arena Metal - O intercâmbio entre as bandas quando vocês iniciaram era maior que hoje em dia, apesar das dificuldades de comunicação, visto que não existiam tantos meios eletrônicos para se comunicar? Quais eram seus principais contatos nessa época?
Steve Asheim - Naquela época todos se comunicavam por cartas e as enviavam com demos ou importações, ou fotos, ou fanzines, ou qualquer outra coisa. Agora a comunicação é totalmente eletrônica, o que é legal também, eu acho. Tem que seguir adiante com os tempos.

Arena Metal - Um dos assuntos mais comentados do início da carreira de vocês eram os temas abordados pelo Deicide. Mesmo já existindo outras bandas abordando os mesmos temas, vocês chamavam muito mais atenção. Com a maturidade que vocês tem hoje, vocês mudariam alguma coisa dessa época de formação da banda?
Steve Asheim - Olhando para nossos materiais antigos, quero dizer que eles são o que são. Posso justificar os temas, com certeza. Posso sentar aqui e escrever longas linhas sobre isso, mas prefiro não comentar. Eu só vou dizer que nós começamos jovens e mantivemos o som ao longo de todos esses anos. Nós escrevemos algumas músicas, obtivemos alguns fãs, percorremos o mundo, um monte de álbuns feitos. Tudo isso batendo no mesmo Homem. Nós desenvolvemos subsistência, porra!  Até criamos empregos para as pessoas. Contribuímos para a economia mundial e fizemos do nosso jeito.

Arena Metal - Já vi essa pergunta anos atrás em outra entrevista, mas vou refazê-la de outro modo: como o trabalho de Scott Burns ajudou vocês ao longo da carreira? A produção dele era muito parecida em outros trabalhos, mas com vocês era um lance bem característico. Vocês opinavam muito nisso ou era ele mesmo quem timbrava bem o som do Deicide?

Steve Asheim - Scott fez o melhor que podia conosco, e não somos o grupo mais fácil de se trabalhar. Acho que sua melhor obra conosco foi  "ONCE UPON THE CROSS". O resto, ele fez o melhor que podia com o que tinha para trabalhar. A propósito, ele é um cara super legal.

Arena Metal - A banda sempre foi muito bem assessorada em termos de guitarristas, cada um em sua época, claro, mas de um tempo pra cá apenas o Jack Owen se mantém a mais tempo no posto. De algum modo, essa instabilidade prejudica a banda?
Steve Asheim - Bandas são coisas vivas e você não pode controlar as pessoas. Você pode apenas fazer o que puder para mantê-las. Jack'O é um cara bastante estável e ele trouxe isso para a banda. Ralph Santolla  era talentoso mas ele era bastante imprevisível  e depois de um tempo basta. Nós temos agora Kevin Quirion na banda, que também é uma personalidade estável, então a banda tem que estar boa para seguir adiante por mais alguns anos agora, e muito mais suave também.

Arena Metal - Atualmente, você, Steve Asheim e Kevin Quirion tem bandas paralelas. Como era conciliado a época que todos da formação participavam de outras bandas?
Steve Asheim - Não. O DEICIDE é a maior prioridades sobre outros projetos. Mas Kevin é um cara muito produtivo e, por isso, tem muito tempo e material para suas outras bandas e projetos. E a nossa programação no DEICIDE permite muito tempo para isso.

Arena Metal - A experiência de Glen Benton no Vital Remains trouxe, alem de Dave Suzuki em uma participação avassaladora como guitarrista, algum aditivo especial para o Deicide?

Steve Asheim - Sim, Dave é um guitarrista incrível. Seu tempo conosco não durou muito, mas foi divertido enquanto durou. Apenas 3 semanas, tempo suficiente para terminar uma TOUR condenada. Fizemos um DVD desse período. Caso contrário eu esqueceria tudo sobre Dave ter estado conosco, devido ao curto período.

Arena Metal - Como estão os planos da banda para novos lançamentos, visto que seu último trabalho, To Hell with God, é de 2011?
Steve Asheim - Estamos trabalhando em algo no momento. Todas as bases estão gravadas, apenas esperando finalizar as letras, vocais e solos para, em seguida, juntar. Esperamos que tudo saia até o final do ano.

Arena Metal - Uma das perguntas mais "polêmicas" hoje em dia refere-se ao uso da tecnologia de novas mídias. Qual a opinião de vocês sobre esses pontos? Vocês gostam de MP3, cd virtual, vídeos no youtube...?
Steve Asheim - Tem que seguir adiante com os tempos. Você realmente não tem escolha. Ou entra no barco ou fica para trás. Eu mesmo não me envolvo muito nisso profundamente, deixo produtores e engenheiros preocupar-se com isso. Eu ainda compro CDS.

Arena Metal - Um dos pontos mais intrigantes do início das atividades do Deicide era sobre a aversão de Glen Benton em viajar de avião. Isso mudou atualmente ou ele continua o mesmo?
Steve Asheim - Ha! Não. Ele ainda odeia. Eu também não amo as viagens de avião, mas cara, ele  que costumava derrubar velhas , tentando chegar a porta depois do voo.  Eu o vi escalando os assentos para sair, uma vez. Divertido!

Arena Metal - A mídia despreparada divulgava diversas histórias a respeito da banda, de suas atitudes e de seus integrantes. Até que ponto histórias exageradas como Glen passar a noite em frente a um necrotério ou a famosa promessa de suicídio dele aos 33 anos ajudaram na imagem da banda?
Steve Asheim - Bem, todas essas coisas são verdade e todo mundo sabe que as pessoas em bandas fogem com qualquer coisa. E palhaçadas e histórias ou ajudam ou prejudicam uma banda. Nós tivemos muito de ambos. Mas você não pode controlar tudo. Então, você faz o que pode e espera o melhor.

Arena Metal - Normalmente a banda produz álbuns com temos muito curto. Qual o motivo de trabalharem assim?
Steve Asheim - Uma coisa como um Brutal Death Metal deve ser gravada de uma só vez. Achamos que deste modo é suficiente para satisfazer a todos sem cansar a quem irá ouvir. Este material que pode ter receptividade muito rápido, se você deixar. Você tem que deixar rolar e fluir e tente não ficar preso a algo ou repetir-se muito. Acho 30-35 minutos é muito tempo para isso.

Arena Metal - Em termos financeiros. Os integrantes da Deicide ainda precisam de algum trabalho paralelo a banda?
Steve Asheim - Alguns, outros não. Depende das circunstâncias individuais.

Arena Metal - O que vocês ouvem influenciam na música da Deicide? e o que estão ouvindo atualmente?

Steve Asheim - Eu tenho tocado mais levadas e estou ouvindo mais coisas antigas do tipo DIO, SABBATH, MAIDEN, SLAYER. Mas eu ouço qualquer coisa, você sabe!

Arena Metal - O álbum album 'To Hell with God' é realmente perfeito. Mas em sua opinião qual o melhor álbum da banda?
Steve Asheim - Bem, obrigado por esse ótimo elogio. Sim, foi muito bom. Eu não tenho certeza se eu poderia escolher um favorito. Eu gosto sempre do mais recente, porque é o mais novo.

Arena Metal - Nosso muito obrigado pela entrevista. Você pode usar esse espaço para enviar uma mensagem aos fãs no Brasil.
Steve Asheim - Obrigado a todos no Brasil por seu apoio longo dos anos. Esperamos vê-los novamente assim que possível.

(Entrevista por Hugo Veikon- Léo Quipapá)
(Tradução Hugo Veikon - Léo Quipapa e Ana Carolina)

 

<< Voltar ao Site